Monday, June 30, 2008

blame canada - 1

bébé do amor:
quero escrever mas estou sem palavras para expressar a alegria que a tua missiva me deu. tu és do caralho, tens estado e estás, efectivamente, there quando eu preciso. e eu precisava, precisava de te sentir. a ideia de vir agora para casa, depois de ter funiculado, de ter de me render às tristes evidências, que tenho pouco mais de 24 horas para escrever uma coisa que sonho e quero há muito concretizar, e de não te ter, fisicamente, aqui, aterrorizava-me. mas vim. vim porque ainda quero tentar, ser capaz, conseguir. vim por mim, por ti, por nós. e ter chegado a casa e ter percebido que tiveste a, tão querida, preocupação de me deixares umas palavras tuas para me receber simplesmente comoveu-me como não podes imaginar. eu, que só penso em ti, falo em ti, estou 100% focado em ti/nós, derreti-me. isto é muito bonito, muito. eu estou pasmado connosco, com a nossa envolvência, sintonia, afinidade, relação. estou pasmado com a verdade disto tudo. eu já pouco acreditava na possibilidade de ser feliz com outra pessoa, na capacidade de me entregar, de receber, de dar, de viver o tempo a dois e estas últimas semanas têm sido uma chapada de luvinha branca nessa niilista crença. tu, eu, nós temos provado que our hearts are alive and kicking, que dar e receber é bom (é o melhor), que vale a pena esperar. we came a long way, you said so. lembras-te? we did, in fact, but we did for good. o que me pasma mais no meio disto tudo e que por vezes, quando a minha twisted, insecure, suspicious mind faz das suas, me aterroriza é a naturalidade, fluidez, facilidade disto tudo. tudo entre nós tem parecido ser afim e simples, descomplicado, sintoma da verdade e da vontade e isso, por vezes, assusta. but i'm going to let my twisted mind go to hell and enjoy this/us 'till the last minute.
you wrote: espera por mim, eu volto para ti.
i wrote: por ti esperaria a vida inteira (ou toda, não me lembro precisamente).
i feel now: this is so right. we deserve it, we are this. we are together. and this is what i live for: being there for. and being there for us seems such a quite good task. it feels so right, true, NATURAL.

i'll wait for you always (how can't i?)
with love,
onan
p.s.: tenciono publicar esta missiva no meu diário como o primeiro "blame canada". só o farei, no entanto, se tu o autorizares. espero, então, a tua aprovação/repovação. é que já é altura de nos registar no meu diário que, como sabes, é o registo mais íntimo e verdadeiro dos meus dias. you wanted to be there, didn't you? so it will be.
mon amour, l'aventure commence (adoro esta frase; sei que é dita num filme, que adoro esse segmento mas não me recordo do filme, apenas a frase. já estive para te perguntar se sabes de onde é mas, por esquecimento, nunca o fiz).
anyway, a aventura já começou, a 16 de maio de 2008 e tenho amado cada segundo.
kiss you there, although i blame canada.
p.s. 2: leia a segunda frase da missiva (onde refiro que não tenho palavras) e após lida toda a dita (a missiva) veja, afinal, a veracidade da afirmação.
sou mesmo verborreico (blame me). mas tu gostas, right?
you give me... (yup) FEVER!
.........................................................................................................................
a aprovação foi dada, a cópia da missiva publicada, a saudade cresce. blame canada (just for the fun of blaming it).

2 comments:

Tia belinha said...

Apesar de me sentir como uma intrusa quando li esta lindíssima mensagem que deixaste ao teu amor, não posso deixar de partilhar a imensa felicidade que senti ao lê-la. Que bom que é estares feliz, que bom que é estares bem!
Fico tranquila por saber que, finalmente, encontraste alguém que te faz sentir assim. Ainda não o conheço bem, mas já o amo, só por isso.
Bonsai

HOJE said...

e eu comovido de vos ver a todos assim tao amigos e fofinhos e buáaaaa
ja foi ha bue e a agua corre por debaixo desta ponte. oxalá assim continue.