Thursday, November 25, 2010

blogagem colectiva - minha ideia é meu pincel

frida kahlo, auto-retrato 25/11


querido diário:

decidi participar na iniciativa "blogagem colectiva - minha ideia é meu pincel" criada por glorinha l. de lion no seu blog "café com bolo". é muito simples, a glorinha posta uma imagem/quadro e os participantes redigem nos seus próprios blogues algo alusivo ao mesmo. há apenas uns dias soube deste movimento, pela minha querida susana, e, ainda por cima, sendo, na presente semana, um quadro da minha adorada frida kahlo decidi participar.

e eis que:

sempre fingi que vi o céu quando o ferro em mim entrou para nunca mais de mim sair.
tornei-me, a partir desse dia, ferro.
e tornei-me céu, ou a mentira de o ter visto ver-me.
sim, porque hoje sei, não fui eu quem viu o céu:
foi o céu quem me viu;
o céu viu-me ser rasgada para que de dentro de mim eu pudesse sair e (pela dor) florescer.
e algo de celeste e férreo em mim (ou comigo) nasceu.
e trago partículas desses dois opostos impregnadas, sempre,
nas palmas das mãos, no céu da boca, no coração, na vagina, nos olhos, nas roupas e
naquilo que é fundente e
que do casamento de ambos (ferro e céu) todos os dias nasce em mim (ou retorna a nascer).
a esse nascimento chamo eu: amor.
todos os dias engravido, sou parturiente, mãe, mulher, amante e viúva de mim e do amor.
e amamento-o (ao amor) com tintas, diluentes, saliva e declarações incansáveis para que ele,
o meu amor, de amar nunca se canse; que, em amor,
nunca se esqueça que amor nunca poderá deixar de ser.
porque o meu amor nasceu do casamento sangrento entre o ferro e o céu.
e aqui estou, neste jardim, parada, silenciosa e, retratada;
atenta à voz que o meu amor tem. é uma voz menina e sempre torrencial.
e é essa a voz que me pinta, hoje e sempre, não sou eu.
o meu amor pinta quadros com a voz; eu apenas me aconteço neles.

12 comments:

Susana Vitorino said...

Meu querido! Quero ser a primeira a dar-te os parabéns, os abraços, os amassos, os beijos, o BEM VINDO a esta família.

Sim, porque já o é. Uma família que nos abraça e nos enche de perfume e colares de flores.

Feliz por te ter aqui. Amei o teu amor pela Frida (eu sabia!)

E agora vou partilhar com o mundo o teu talento*

Beijo-te muito, quanto posso!

António Rosa said...

Olá caranguejinho Onan,

Como já estou na terceira idade, sou bem mandado e obedeço aos jovens que gosto muito, neste caso, a Susana.

Gostei muito do poema (nem sei se é), palavras intensas, duras, alcatroadas, cimentadas, empedradas.

Imaginei que pudesse ser a voz da própria Frida. Ou a sua. Quem sabe? Isso também não é importante, pois quem 'fala' assim, e sabe rematar com perícia, como é o caso, fica tudo dito.

«o meu amor pinta quadros com a voz; eu apenas me aconteço neles.»

António,

P.S.: Lá vou ter que escrever as letrinhas torcidas que não fazem falta e tiram limpidez aos posts. aqui.

Glorinha L de Lion said...

Seu post me fez chorar! Que lindas imagens "pintou" com suas palavras, meu novo querido amigo. Impressionante o quadro que fez com as cores de Frida, com seu sofrimento, sua dor e seu imenso amor pela Arte! Estou extremamente sensibilizada com seu poema, que me veio até às entranhas. Magnífico! Por favor, retire a verificação de palavras, é uma das regrinhas, ok? Beijos e fiquei feliz por te ler hj! Salvou meu dia!

onan said...

muito obrigado a ambos pelas vossas palavras.

susana: obrigado por tudo, pelo teu delicioso comentário e por teres trazido o antónio até ao meu diário. é muito bonito tudo isso.

antónio: seja muito bem-vindo, ainda bem que é bem mandado. onan agradece a visita, a generosidade e beleza do seu retorno. o meu diário agradecerá sempre as suas visitas e as suas impressões.

uma vez mais, muito obrigado a ambos. estou muito contente neste momento.

contentonan

Beth/Lilás said...

Olá, Onan!
Vim aqui conferir sua participação na blogagem coletiva da Glorinha e estou encantada com sua verve poética.
Que coisa linda! parabéns!
um grande abraço carioca

onan said...

glorinha: o seu comentário, tão comovente e grande, maior, profundo ajudou a salvar também o meu dia. que feliz ocasião. que tão feliz ocasião!

beth: eu fico encantado por ter podido encantá-la. volte sempre. a minha verve poética faz-se destes bons encontros.

muito, muito, obrigado.

Marli Borges said...

Olá Onan!
Uau. Como você escreve menino!! Gostei muito. Um quadro com voz. É isso, você fez a imagem falar. Parabéns!! Bjssssssss

Malu Machado said...

Olá Onan,

Muito forte a sua participação. Bom te ler. Que bom que entrou para a postagem. Seja bem-vindo.

Macá said...

Onan
Que maravilha você fez! Transformou tanta dor e sofrimento, num poema muito bonito. Digno de Frida. parabéns.
um beijo carinhoso

William Garibaldi said...

"sempre fingi que vi o céu quando o ferro em mim entrou para nunca mais de mim sair.
tornei-me, a partir desse dia, ferro."
Que fortíssimo!
O Texto é de sua autoria?
Lindo lindo lindo!
William Garibaldi.

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez said...

tb sou participante da blogagem coletiva (mas desta vez não pude participar, por problemas pessoais)
que lindo texto, sua participação foi maestral!
vc entrou no quadro, o traduziu com seus sentimentos. e seu post é de emocionar.

abraços e um bom fds

si said...

belissimooo....simplesmente ameiiii,parabens...muito sentimento aqui.....muita energiaaa
abraço de sisi