Monday, June 11, 2007

esta noite inventa-se

esta noite invento sensações.
invento o cheiro do céu da tua boca, deixado e desejado, nas pontas do meus dedos.
invento o sorriso que me deixas estampado no rosto, preservado e adocicado, quando me beijas e sais da cama porque o dia cedo te chama.
invento a memória do nervoso miudinho (sentido a dois, eu sei) que precede o momento, bem calculado, bem cicatrizado, bem escrito, da nossa tão primeira vez.
invento o cheiro, já fresco, do fim dessa tarde em que, sem rodeio, receio, reclusão, me dizes: amo-te com certeza.
invento o arrepio que o teu sussurro, branco, brando, bravo, me provoca no lóbulo da orelha direita, tão atenta, no escuro domingueiro dessa noite no cinema.
invento o gozo das minhas mãos quando cozinham para ti.
invento o gosto da minha escrita.
invento o gosto da tua leitura; onde te afundas sem reserva, máscara, revolução.
invento a paz e as palavras.
invento o inventar.

1 comment:

Graduated Fool said...

Lindíssimo.