Wednesday, May 17, 2006

uma fantasia

comer romãs a correr, de mão dada,
bocas que escorrem uma para dentro da outra.
olhar fixo no outro a tarde inteira e crer juntos que se está num templo do Butão.
encher a banheira com água, sal e páginas dos livros todos que se gosta, ler nas plantas dos pés, nas axilas e no sexo as frases que se foi sublinhando, a solo, ao longo da vida.
lavar louça nas escadas do prédio e pintar com verniz dos chineses os dentes das vizinhas mal humoradas.
fazer desenhos obscenos, com guache e tinta de água, nas fachadas de todos os ministérios.
entrar em táxis e dar, convicta e soberbamente, ao motorista a indicação para só parar em Dresden.
ficar em total imobilidade e silêncio durante dois dias de agosto e apenas agitar os corpos para dar pequenos tragos em água das pedras choca.
comer bolachas de água e sal e rasgar notas de cinquenta euros em pedacinhos mínimos; fazer chuva de euro-confetis.
adormecer com vontade de acordar para estar de novo aqui, ou na lapónia, de dedos entrelaçados.
a paixão é isto: o vício de matar o teu tempo, nesta dádiva clara do meu.
(finda a fantasia descubro que tenho o tempo todo para mim e para o relógio.) hmmmmpffffff. faz-se tarde, vou dormir.
o diário de onan, esta virtual e tabularrásica entidade, ganha, pela primeiríssima vez, expressão e afirma:
- Este demónio mente. Onan tem fobia a relógios, não os possui, não se compreendem mutuamente. Quando Onan pensa, fantasia e conclui os relógios páram no seu pulso e implodem. E Onan passa noites em claro a tentar medir a intensidade do parto de cada novo minuto. Deixai-o mentir, é assim que adormece.


No comments: