Tuesday, January 31, 2006

podia ter acontecido

Ela quis pintar as unhas e pediu-lhe que lhas pintasse com a boca. Ele aquiesceu. Colocou o pincel do frasco de verniz entre os lábios e apertou-o firmemente com os dentes. Baixou a cabeça, debruçando-se sobre o frasco, e mergulhou nele o pincel. Deu uma desajeitada risadinha e quase deixou que o mesmo lhe escorregasse da boca. Ela riu livremente. Ele voltou a concentrar-se. Levantou a cabeça, escorreram duas gotas do líquido para o interior do frasco. Ele sentiu dentro de si o impacto provocado por essas duas gotas na restante substância. Inspirou o vapor que se desprendeu do verniz escarlate e sentiu-se vivo, feliz. Fechou os olhos e assim se deteve um pequeno instante. Quando os voltou a abrir uma lágrima escorreu-lhe livremente pela face abaixo. Ela sorriu, sentiu-se pequena, querida. Ele segurou-lhe na mão direita, mergulhou nela o rosto e começou a deslizar suavemente o pincel sobre a unha do polegar.
Ela disse: Faz-me cócegas.
Ele disse: A mim também.
Não mais deixaram de se querer. Nem mesmo depois de longínquos.

1 comment:

macaso said...

Verviz. Adoro. Escarlate. A seda e o sangue. Muito, muito bonito