Thursday, October 20, 2005

a entrevista onanista

o perguntador virtual: O que estás a fazer?

onan: A mastigar um "Mars Delight", a ouvir o "Black or Blue" dos Suede e a responder-te.

o perguntador virtual: Em que é que estás a pensar neste momento?

onan: Estou a pensar em responder-te. É para isso que aqui estamos, certo?

o perguntador virtual: Quem faz as perguntas sou eu. Estás a pensar em alguém?

onan: Não exactamente. Bem, talvez esteja a pensar numa pessoa que ainda não conheço efectivamente. Mas como ainda não conheço essa pessoa não me permito pensar muito sobre ela.

o perguntador virtual: Como te sentes hoje?

onan: Sinto-me entusiasmado, algo cansado, apreensivo, um pouco ansioso mas leve.

o perguntador virtual: Sentes-te apreensivo e leve ao mesmo tempo?

onan: Sim. Não me parece que a apreensão e a leveza sejam estados antagónicos e incompatíveis. Mesmo que o fossem, em mim seria possível a sua "pacífica" convivência. Sou antagónico por natureza e militância.

o perguntador virtual: Por militância? Defendes isso?

onan: De certa forma sim. Foi algo que tive de aprender a aceitar em mim e a tirar daí o devido proveito. Por vezes é muito útil esse antagonismo de estados interiores. Provoca-me o ímpeto da criação. Ajuda-me a pensar mais longe. Ajuda-me a surpreender-me.

o perguntador virtual: É muito importante para ti a surpresa? Precisas de te surpreender?

onan: Sim, muito. Mesmo quando me surpreendo negativamente. A surpresa, quanto a mim, está ligada à cinestesia. Eu preciso de me sentir em contínuo movimento. E é isso que também me liga às pessoas. Para me manter ligado a alguém, tenho de sentir no outro essa mesma ligação cinética. Cinética entre ambos e também de cada uma das partes consigo mesma. Sou incapaz de me manter ligado a uma pessoa que não se surpreenda a si mesma. Não consigo estabelecer contacto com pessoas que (se) pararam.

o perguntador virtual: Tens, então, uma fixação pela velocidade?

onan: Acabo por ter. Mas isso não é o mais importante, ou seja, esse não é o todo, é uma parte. Gosto da velocidade no sentido em que esta é uma fracção do movimento. Tento a todo o custo não confundir velocidade com o movimento em si. É um trabalho que tenho vindo a fazer comigo. O movimento não é apenas velocidade, é muito mais do que isso.

o perguntador virtual: Então, não vives a máxima do "live fast and die yong"?

onan: (risos) Depende das alturas. Há alturas em que vivo, há outras em que vivo quase o oposto. Sabes, durante muito tempo eu acreditei piamente que iria morrer muito jovem. Segundo as minhas previsões, nunca teria passado dos vinte cinco anos. Não no sentido de viver uma vida muito veloz e intensa que me levasse a uma inevitável e prematura morte. Eu acreditava de facto que irira morrer muito novo. Pelos visto não aconteceu. No início de 2004 fui a um astrólogo e ele disse-me que eu iria ter uma vida muito longa. Segundo ele, ainda teria pela frente mais de sessenta anos de vida. Eu rebentei a rir e disse-lhe que sempre tivera o pressentimento que iria morrer muito novo. Segundo esse pressentimento até já deveria estar morto. Aí foi ele quem se riu, disse-me "Todas as pessoas que têm uma vida muito longa definida na sua carta astral sentem isso". Não sei se irei de facto viver mais sessenta e tal anos mas, na verdade, a sensação que tinha anteriormente desapareceu. Provavelmente acabei por acreditar mais no astrólogo do que eu mesmo pretendia. Em todo o caso, ele disse-me que iria ter uma vida repleta de sucesso profissional e realização pessoal. Falou mesmo em "fame and fortune". Cá estarei para ver. Espero que ele não se engane. Até agora não tenho visto muita concretização da previsão por ele adiantada. Em todo o caso, ele disse que seria a partir dos trinta. Curiosamente, a partir dessa altura fiquei com uma enorme vontade de entrar na terceira década de existência. E de qualquer forma, seria muito útil ter uma vida, já que supostamente longa, repleta de realização. Caso contrário seria muito aborrecido e cruel. Acho que se assim fosse preferiria gastar logo os cartuchos todos e morrer novo.

o perguntador virtual: E tens gasto muitos cartuchos?

onan: (risos) Tenho gastos alguns, tenho de admiti-lo.

o perguntador virtual: E como é que imaginas que vais viver a tua entrada na "terceira década de existência"?

onan: Desde que fui ao astrólogo deixei de fazer previsões. Ele é que é pago para as fazer. Tenho consultá-lo no princípio do próximo ano. Mas gostava muito de fazer trinta anos em plena Djemaa el-Fna, rodeado das pessoas que amo. Seria algo de muito forte, certamente. E uma óptima forma de entrar na dita terceira década.

o perguntador virtual: E quais são as coisas mais gostarias que te acontecessem ne terceira década?

onan: Na primeira metade gostaria de emigrar. Gostaria de voltar a estudar mas fora de Portugal. Na segunda metade gostaria de ter um filho, de preferência fora de Portugal. Não quero dar a um futuro ser a fatalidade de nascer português, hoje em dia não faz sentido. (risos)

o perguntador virtual: O que é que te leva a querer ter um filho? Tens assim tanta necessidade de te perpetuares?

onan: Tem muito pouco de Batailliano essa minha vontade, no sentido de combater a descontinuidade inerente a qualquer humano. Essa vontade tem a ver com o amor. Está ligada à grande necessidade de passar pela experiência da vida e usufruir de um tipo de amor que, quanto a mim, é superior e incomparável. O amor por um filho; adivinho-o como sendo a forma de amor mais completa. E eu não quero morrer sem viver esse grande amor. Sabes, o maior momento que felicidade que experimentei em toda a minha vida foi num sonho. Houve um dia, há uns anos atrás, não sei precisar quantos, em que acordei a chorar copiosamente. Estava a sonhar que tinha um recém-nascido nos braços e que era meu filho. Nunca fui tão feliz como nesse momento vivido num sonho. Senti todas essas coisas que acabo de defender. Vivi a monumentalidade desse amor, puro, interior, ancestral, infinitamente humano. Percebi que teria de viver esse momento. Sei que serei incompleto se não conseguir realizar, no sentido literal, esse sonho. Tenho é de me amar de uma forma mais assertiva antes de me lançar nessa jornada. E claro, encontrar a parturiente adequada: mãe.

Fim da 1ªa Parte. A ser retomada, quando perguntador e perguntado a isso se dispuserem.

1 comment:

Anonymous said...

Nice Blog!!!   I thought I'd tell you about a site that will let give you places where
you can make extra cash! I made over $800 last month. Not bad for not doing much. Just put in your
zip code and up will pop up a list of places that are available. I live in a small area and found quite
a few. MAKE MONEY NOW