Sunday, February 26, 2012

o dentro de um poema

enquanto conto e reconto
os trinta e tais embates da tua expiração no meu pescoço
firmo esta, na pele, certeza de que o teu sono e a minha insónia abrem,
de par em par,
a porta do nosso tão bonito-amor-secreto-bosque.
e,
quão íntimo pode o dentro de um poema ser?

No comments: