Friday, April 30, 2010

rudolfo de pravda

rudolfo de pravda era circunscrito
e este é o facto,
que mais prementemente,
se pode asseverar do dito.

rudolfo de pravda
era uma gozão,
não ia cá em intrigas nem cantigas e
sabia ser anfitrião.

rudolfo de pravda tinha talento
inventava segundos nomes para tudo
tinha um caderninho
e dormia ao relento.

rudolfo de pravda sabia dançar
da salsa à rumba
meneava a anca
e deleitava-se com o luar.

rudolfo de pravda era um homem a sério
tinha rigor nas acções, nas palavras
cantava todas as oitavas;
tinhas musas em cada hemisfério.

rudolfo de pravda ria-se de si próprio
abria a cabeças aos outros
ia, com eles mais, longe
em vez de um par de olhos tinha um telescópio.

rudolfo de pravda tinha o coração no sítio
podia ter sido um platão ou um gandhi
dava a roupa do corpo
era o oposto do lítio.

rudolfo de pravda gostava e sabia brindar
criou uma nova ordem paradigmática
lê-lo não consegues
porque tinha aversão ao verbo publicar.

rudolfo de pravda era contente
das abelhas conseguia velas
só com doce conversa
era o mais inteligente.

rudolfo de pravda era imediato
assim como circunscrito
percebia tudo na hora e sem demora:
era o próprio do anti-atrito.

rudolfo de pravada casou com uma perdiz
porque via essencialmente tudo
e tudo no essencial
dos seres que conheci: foi o mais feliz.

rudolfo de pravda nasceu e morreu esta manhã
de sorriso sempre aberto
guerreou e pacificou-se com tudo na vida
e fez da vida, na sua complexa totalidade, a experiência menos vã.

rudolfo de pravda foi um ser que inventei
e que nunca conheci
espero ainda encontrá-lo
dentro de uma simples e maior palavra chamada: aqui!

ou ali...







No comments: