Friday, February 05, 2010

confissão

eu, no fundo, sei que sou muito maior do que aquilo que me sei e acho.

eu, no fundo, sei que muito pouco me chega aos pés.

eu, no fundo, sei que sou o luxo de me (des)ser.

mas eu sou-me...

mesmo que ao me não ser brincando eu sei o que isso vale.

eu sei que tenho de me fazer ser e valer.

eu sei o que sou.

e eu sei que já chega de me brincar.

nenhum remédio me resta senão ser-me (a sério).

eu nunca me minto, nunca...

eu sou-me assim (doa(-te) a quem doer(-nos)).

No comments: