Wednesday, August 22, 2007

a sobriedade

era assim, convicto de ter a pele coberta pela realidade da claridade,
que se atrevia a percorrer os labirínticos caminhos que o levariam à sua,
muito aspirada e verdadeira, verdade.

era assim - um olho aberto e um outro fechado - ao fim da tarde
que fazia a consulta aos arquivos, dóceis e ásperos, abertos
nessa sua tão tenra idade.

era assim, semi-perdido/semi-achado, impotente na fugacidade
que tentava decifrar -boca a boca-
o palimpsesto que descobrira ser a moralidade.

é assim, numa tarde de agosto,
que se escreve - de mudar, de reler, de ver, de querer- a vontade.

é isto a que chama a sua sobriedade.

No comments: