Tuesday, July 26, 2005

parar o amor

"i'm so sad, like a good book. i can't put this day back, a sorta fairytale with you".

disse-te que a tristeza era tão profunda que me tornava incapaz de chorar, momentos depois chorei. chorei como não chorava há muito tempo. passei a noite a chorar, a exorcizar, a protestar contra tudo isto. sinto revolta e frustração e uma dor profunda por tudo isto ter de acontecer. é terrivelmente injusto: ter de parar o amor quando ainda há o amor. e agora? o que fica? o que vai ser? o que é que se faz com isto, com este sentimento que mora cá e que parece que assim vai permanecer para sempre? tenho tantas questões. foi estranha e bela a despedida: tratámo-nos como sempre. até te espalhei creme nas costas. parecia que estávamos ali para contnuar, quando estávamos a firmar a nossa separação. beijámo-nos várias vezes como se estivéssemos a negar esse adeus, como se estivessemos ali para continuar a ser um do outro. despedimo-nos com beijos como se o dia de amanhã fosse nosso como todos os outros dias até agora. fui à janela, como quase sempre, ver-te entrar no carro e despedir-me de ti. isso é que me dói e revolta mais, dissemos adeus mais ainda me sinto teu. e ainda te sinto meu.
porque é que temos de parar o amor quando ainda há o amor?
porque é que fomos tão estranhamente feitos um para o outro?
porque eu sinto que de uma forma muito profunda, e para nós até imperceptível, estamos, agora pelo menos, feitos um para o outro.
porque é que não temos forças para ficar?
porque é que temos de parar o amor quando ainda há o amor?
porque é que não somos mais profundos nas acções e as pomos em ligação directa com o sentimento?
falas de entendimento, do nosso entendimento. eu chamo-lhe profundidade. no fundo, no fundo é a profundidade do entendimento.
porque é que isso não basta para nos manter ligados?
quero e não quero pensar nisto. tenho de pensar nisto, não consigo evitar sentir isto.
como te disse várias vezes, olho para ti e derreto-me.
e agora?
acho que o grande problema é que levámos tudo tão a sério que nos esquecemos de rir com o nosso amor.
é muito estranho: ter de parar o amor quando ainda há o amor.
amo-te, tu sabes disso, e hei-de fazer tudo o que estiver ao meu alcançe para voltar a rir contigo. seja de que forma for. porque apesar de tudo, mesmo parado, há aqui amor.

1 comment:

Anonymous said...

"porque é que temos de parar o amor quando ainda há amor?"
esta é a frase que repetes várias vezes no teu texto...esta deve ser a frase que inunda a tua mente o teu coração o teu espírito....o teu ser...neste momento.
O amor não pára,o amor é um sentimento que está em constante e eternamente em movimento...
desde o dia que sentes o amor ele não pára....desde o dia que tens a certeza que tens amor por alguém ele movimenta-se...e desde o dia que partilhas amor com alguém e contigo mesmo ele não pára....o amor cresce em rumo ao infinito....ele não pára!
Tudo no mundo pode parar...até ás vezes o vento pára...as nuvens páram...o sol pára quando chega a noite...as pessoas páram porque têm medo de andar para frente...mas o amor,esse...não pára.
E tu meu amigo...nunca paráste...foste em frente sempre...porque dentro de ti e de ti para os outros o amor não pára.
devias estar feliz...tens uma certeza que poucos neste mundo têm...tens a certeza de que em ti vive o amor...de que de ti sai partilha desse amor com alguém...fica feliz...o teu amor existe...o teu amor é eterno.
*