Thursday, March 17, 2005

pour toi

eu fui a esfera sem não nem senão
quando as ravinas se abriram no ar

tu foste o gosto de um tempo de verão,
a noite-língua a crescer devagar

eu fui a estrofe sem mão nem refrão
quando o meu corpo se quis glaciar

tu foste o sol-mel-sol-posto no chão
és hoje a vida-céu dentro do mar

eu navego na tua boca afluente;
tu és um barco oceano do tacto.

No comments: