Tuesday, March 22, 2005

a interactividade

Caros Onanistas:
O vosso anfitrião está a constatar, com grande alegria, que este diário está a ter um número cada vez mais significativo de visitas. The Demon is Happy with that! Ao fim e ao cabo, este diário é uma porta aberta. É bom saber que há quem a transponha com frequência e assiduidade.
O Demónio gostaria apenas de ter um maior feedback por parte dos seus visitantes. Para não se sentir tão umbilical. Sim, Onan também precisa de ecos.
Neste sentido, será lançado aqui um desafio. Melhor, dois desafios: pede-se a cada visitante que registe, por forma de comentário, a sua visita. Não tem de ser um comentário elaborado ou opinativo. Se for, melhor. Mas se não houver esse intento por parte do visitante um: "Eu estive aqui hoje. Assinado: Mena, 21 anos, Bobadela", será o suficiente. O que se pretende é um registo no meu diário da vossa passagem pelo mesmo. O segundo desafio consiste num desafio parte-a-parte. A concretização efectiva da interactividade. O Demónio é amante das palavras, como se deve depreender, e apraz-lhe tudo o que se relacione com as mesmas. O Demónio quer desafios, propostas arrojadas, reptros originais, etc. Ou seja, quero que me espicacem para a redacção. Por exemplo: dão-me uma lista de palavras, conceitos, frases, situações, imagens e eu terei de me "aguentar à bomboca" e criar a partir da vossa proposta um produto literário a ser postado no diário. Produto esse que fica depois sujeito à vossa aprovação. Posso também escrever canções por encomenda, poemas de amor para quem não tem jeito para a coisa, insultos, histórias de encantar, falsos testemunhos, etc.. Tudo menos anedotas.
É tudo por ora. O Demónio vai fazer-se à vida. E agurdará com grande expectativa o feedback aos desafios lançados. Desde que venham por bem e, já agora, com interesse.

Cheers

9 comments:

gonn1000 said...

Pois pois, boa forma de conseguir comentários...Mas não seja por isso: "Eu estive aqui. gonn1000."

Palavras?? Hmmmm..."Becoming X", "Splinter" e "Bloodport". Acho que estas devem sugerir qualquer coisa por estas paragens...

gonn1000 said...

Correcção: "Bloodsport".

Madame said...

Bom, acho uma falta de chá estar a lançar também desafios, mas pronto, Madame é compreensiva. Um trio de palavras sugestivas para os seus devaneios: dever, deveras, devorar. Beijinho chique.

Transfofa said...

Filhote, respondo ao teu desafio mas por enquanto só com um simples e modesto "Olá, estive aqui". Mas sabes que estou sempre contigo no pensamento e no coração. Jinhos kido

onan said...

oh, minha Edu sempre tão querida e atenta. agradeço o comentário mas fico na expectativa de um desafio. vá, esmera-te, sei que, vindo de ti, só pode vir boa e engraçada coisa. ti aguardo. un beso mui grande, cariño.

onan

Edgar said...

A propósito de interactividade…

Querido querido, não poderia deixar de responder ao apelo, claro.

As palavras inventam-se, criam-se nas cabeças e saem pela boca. Algumas apenas se criam na cabeça e nunca saem. Outras saem e parece que nem as criamos. As palavras aparecem sempre.

Da mesma forma, eu invento-me, eu crio-me, mas não saio. Às vezes nem consigo pensar em tentar sair. Às vezes é como se estivesse preso. Às vezes estou mesmo preso. Outras, não quero sair e não tenho vontade de sair porque quero ficar. Muito.

Não te quero falar de palavras. Prefiro que sejas tu a falar-me de palavras. Tu sabes falar de palavras muito melhor que eu.

Não te quero falar de mim. Não te quero falar de nada. Quero falar-te de mim e de tudo.

Às vezes estou triste quando deveria estar contente. E, de repente, quando mudo para ficar melhor, fico pior. Outras vezes estou óptimo, ao lado de uma pessoa que se tornou demasiado especial em demasiado pouco tempo.

Às vezes acho que devia mudar, outras vezes acho que não tenho coragem para mudar. E no fim, não tenho coragem para mudar.

Às vezes, com ele, sinto-me a melhor pessoa do mundo, e a mais feliz. Sinto que não poderia estar melhor, e de facto não poderia, de forma alguma. Às vezes ele faz-me sentir bem. Às vezes ele faz-me bem e faz-me sentir bem. Muitas vezes ele faz-me bem e faz-me sentir bem. Muitas vezes faz-me muito bem estar com ele. Faz-me sempre mal não estar com ele.
Faz-me mal estar com alguém que não me ama.

Edgar said...

A (des)propósito,

desculpa ter usado o teu blog para publicar o que sinto.
Não me apetecia publicar o que sinto, mas sentia que te queria dize-lo. Beijo muito grande. Hã! De qualquer modo, acho que vale sempre a pena amar.

Eduarda santos said...

Para Edgar: O amor é dor, sofrimento, ansiedade, que nos corroi interiormente. Quantas e quantas vezes nos faz mal estar com quem amamos, e nem disso temos consciência?

Edgar said...

Eduarda Santos,
2 semanas, alguns dias depressivos e uma boa conversa depois,
Sim, amor é isso, também. Amor é também outras coisas... muitas outras. Eu preferia essas outras. Ok.
Como hoje não estou muito de escritas, queria só acrescentar ao teu comentário que muitas vezes nos faz mal estar com quem amamos, e nem disso temos consciência, mas mais ainda, me atreveria dizer, nos faz mal estarmos com quem amamos e, (pior?) temos plena consciência disso. Eheh..