Tuesday, December 14, 2004

Privado do Ócio, Onan pensa em Cossery

"Para ele, não havia sítios especiais para a felicidade."
"Todos os países tinham o seu contingente especial de imbecis, de sacanas e de putas. Era preciso ser um débil mental para acreditar que se passavam coisas especiais noutros lados. A única diversidade era a da linguagem e a única novidade era que os mesmos imbecis, sacanas e putas se exprimiam noutra língua diferente."
"Enquanto viveres entre os homens, sempre te oferecerão o espectáculo dos seus apetites sórdidos e da sua estupidez. Trata-se de uma comédia eterna, supremamente agradável aos olhos de um observador lúcido. E é o mesmo em toda a parte."
"Ouso ainda afirmar que só as pessoas com lazeres podem aceder a uma forma de pensamento verdadeiramente civilizada."
"são precisos ócios para aguçar o sentido crítico e elaborar um ideal"
"Sentia-se privada da presença de um inimigo seguro,"
"Olha, vou comprar um deboche de fazer tremer a terra."
"Seja qual for o modo com que colabores nesta porcaria de mundo, e por mais ínfimo que seja o trabalho que fazes, és sempre traidor a alguém. Vivemos numa sociedade alicerçada na traição."
"Todos os homens são palhaços. Palhaços sanguinários, mas sempre palhaços."
Albert Cossery, "Uma Conjura de Saltimbancos"
Obrigado Féfé (Fernanda Cardoso) por me teres apresentado, há quase dois anos, este GRANDE senhor do Ócio. Um abraço profundo, gosto muito de ti.

No comments: